segunda-feira, 9 de novembro de 2009

CONVENÇÕES





Blog significa, literalmente, anotações diárias no livro, e como velho, anoto algumas das minhas preocupações ou pensamentos, podem parecer desconexos à luz da ordem social vigente e das convenções sociais existentes, mas, perdoem-me, é uma maneira de desabafar, de esvair, de não explodir. E é pessoal, o blog é meu, os senhores e senhoras são apenas visitantes que são benvindos com os acessos e comentários, mas tem o poder de deixar de me visitar, o que me deixaria triste. Vamos lá à anotação de hoje.

Como quase tudo, a palavra vem do latim, quer dizer o que é admitido e praticado nas relações sociais. Convenção pode ser ainda, o que resulta de um acordo expresso ou tácito entre os membros de um mesmo grupo social.

Confesso que fiquei na dúvida quanto ao título, deveria ser convenções sociais, convenções humanas, convenções terrestres? Desisti, coloquei convenções. Tudo é convenção, até o nome convenção convencionou-se em chamar de convenção. Confuso?

Quem falou que somos humanos? De onde se convencionou chamar o homem de ser homem? O local emItálico que habitamos de Terra? Quem falou que é Terra? Que isso é um planeta? Qual galáxia? É difícil pensar, até a comunicação é uma forma de convenção. Uns brasileiros entendem outros brasileiros através de sons que chamam de palavras, que chamam língua, que chamam de português ou brasileiro. Pura convenção.

Ainda hoje há tribos que só entendem os seus pares. E convencionou-se chamar de língua de índio, tupi guarani, caetés etc... Cada País tem sua língua ou sua convenção. Imaginemos uma espécie mais evoluída, olhando a milhões de distância, um bando de outras espécies, olhando a nós, seria o mesmo quando a gente olha um bando de formiguinhas indo uma atrás das outras; ou, quando se usa o microscópio para se ver espécies não visíveis a olha nu.

E, na evolução das lentes, a gente descobrir que outras espécies menores, bem mais menores que a menor espécie que a gente vê? O fenômeno é já visto em relação a descoberta de novos planetas, com o avanço da tecnologia dos telescópios e viagens interplanetárias.

Amanhã alguém descobre um espelho em que reflete a imagens de seres invisíveis, como a gente faz lidar com isso? Imaginemos um espelho ou algo semelhante, um óculos, uma máquina, em que as almas, os espíritos – outra convenção – seja identificada, vista. E se a gente é a alma e a alma é o corpo?

Porque a gente não é a chamada passagem, como querem os católicos e a vida eterna é invisível? Ou por outro, será que a gente é a glorificação, o pagamento, o prêmio pelo tempo em que a gente é invisível, pelo tempo em que se é espírito, e a gente só deveria gozar o tempo, usufruir, fazer todos os atos humanos, como forma de desfrute pelo tempo de comportamento ilibado em outros estágios e formas?

Convenções.

Primeiro o chamado mundo, depois a terra, depois o homem, depois o pais, a língua, os hábitos sociais e por aí vai. Se o preto for branco e o branco for preto? Se o amarelo for azul e o azul for amarelo? Quem disse que vermelho é vermelho? Não seria o vermelho, azul? Neste caso quando se diz: sangue azul, aonde está o sangue azul?

Imaginação à parte, são as convenções que nos regulam.

Há todo tipo de convenção. Se a gente gosta de mulher, é mundano; se gosta se sexo, é tarado; se gosta de meninas, é pedófilo. Se não gosta de mulher, é bicha enrustido; se gosta de velhas, não tem gosto, é bucheiro.

Se gosta de bebidas, é cachacheiro, é alcoólatra. Se gosta de crack, de cocaína, de maconha, de heroína, é drogado, é viciado. Se gosta de trabalho, é caxias; se não quer trabalhar, é preguiçoso. Se é estudioso, é cdf (cú de ferro), se não gosta de instrução, é burro (outra convenção).

Burro me chama para outra ramificação do tema convenção. É o fato da gente usar animais para definir determinados comportamentos. Chamam-me de galinha, por gostar de mulheres, de qualquer tipo ou cor – veja poema MULHERES BROXEI – e por ser sincero, sou um jumento, dou coices. Há os burros, os topeiras, as mulas, todos se referindo às pessoas não inteligentes. Há os chamados águias, pessoas inteligentes.

Tem mais, macaco quando muda de emprego, “pula de galho em galho”. Ou macaca (tá com a macaca), irritado, zangado. Ainda na área dos bichos, porco quando não toma banho, cavalo quando fala do pessoal dos juizados e tribunais, viado quando é bicha, bicha quando é viado. Elefante quando a pessoa é gorda ou não tem sutileza; tartaruga quando dirige devagar; piranha quando é puta; gata ou gato quando a pessoa é bonita; cachorro para homem que não é fiel; e cachorra para as mulheres boas, vagabundas, putas, no funk; cobra quando o homem é inteligente; cobra para a mulher chata, fofoqueira, sogra.

Tem mais, formiguinha quando trabalha de sol a sol, gralha quando faz barulho, passarinho quando canta bonito.

Vaca quando dá para todos e não tem mais atrativos sexuais.

Chega de bichos. Vamos a outros. Tatuagem, botas, relógios masculinos, a mulher é sapatão. Sapato para designar a homossexual feminina; brincos, rebolado, rabo de cavalo, unhas pintadas, o homem é homossexual masculino. Tem também aquele negócio de mulher apertada, homem de pau grande. Tudo convenção.

Temos todos tipos de convenções. Deus, dinheiro, boniteza..... ou seja, religião, conceitos de bens, conceitos do que é bonito, do que deve ou não deve ser. A sociedade – outra convenção – determina o que é certo e o que é errado. E a gente tem que obedecer sob pena de punição: é a rotulação de doido, de imoral, de indecente, de pobre, disso e daquilo. Ou a glorificação, rico, inteligente, bonito, amoroso, carinhoso e por aí vai. Tudo convenção.

Até minha prima deixou de visitar meu blog em virtude das mulheres nuas, achou “inconveniente, desnecessário, imoral”. Ou seja, de acordo com a sua convenção, não mereço mais ser acessado e ser comentado. Pena, na minha convenção, ela é bonita, gostosa, inteligente, amorosa e, agora, pudibunda.

Qual a finalidade de tudo isso?

Pensar.

Pensar.

E pensar!

A mensagem é de dois bregas da vida – não de dois pensadores como Thomas de Aquino, Emmanuel Kant, Sócrates – o Gonzaguinha e o Zeca Pagodinho. Sintam a letra e a música, se gostarem:

Eterno Aprendiz

Gonzaguinha

Composição: Gonzaguinha

Eu fico
Com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

E a vida!
E a vida o que é?
Diga lá, meu irmão
Ela é a batida
De um coração
Ela é uma doce ilusão
Hê! Hô!...

Mas e a vida
Ela é maravida
Ou é sofrimento?
Ela é alegria
Ou lamento?
O que é? O que é?
Meu irmão...

Há quem fale
Que a vida da gente
É um nada no mundo
É uma gota é um tempo
Que nem dá um segundo...

Há quem fale
Que é um divino
Mistério profundo
É o sopro do criador
Numa atitude repleta de amor...

Você diz que é luta e prazer
Ele diz que a vida e viver
Ela diz que melhor é morrer
Pois amada não é
E o verbo é sofrer...

Eu só sei que confio na moça
E na moça eu ponho a força da fé
Somos nós que fazemos a vida
Como der ou puder ou quiser...

Sempre desejada
Por mais que esteja errada
Ninguém quer a morte
Só saúde e sorte...

E a pergunta roda
E a cabeça agita
Fico com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

Veja o Zeca Pagodinho:

Deixa a Vida me Levar

Zeca Pagodinho

Composição: Serginho Meriti

Eu já passei
Por quase tudo nessa vida
Em matéria de guarida
Espero ainda a minha vez
Confesso que sou
De origem pobre
Mas meu coração é nobre
Foi assim que Deus me fez...

E deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Só posso levantar
As mãos pro céu
Agradecer e ser fiel
Ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho lá vou eu...

Se a coisa não sai
Do jeito que eu quero
Também não me desespero
O negócio é deixar rolar
E aos trancos e barrancos
Lá vou eu!
E sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Eu já passei
Por quase tudo nessa vida
Em matéria de guarida
Espero ainda a minha vez
Confesso que sou
De origem pobre
Mas meu coração é nobre
Foi assim que Deus me fez...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Só posso levantar
As mãos pro céu
Agradecer e ser fiel
Ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho lá vou eu...

Se a coisa não sai
Do jeito que eu quero
Também não me desespero
O negócio é deixar rolar
E aos trancos e barrancos
Lá vou eu!
E sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...(5x)

Se és novo, jovem – outra convenção, o que jovem ou velho? – rompas com as regras, viva a vida; se és velho, tens vida definida – novamente convenção – assumas, sejas doido, seja pedófilo, seja ladrão de verbas públicas, seja homossexual, seja católico, seja protestante, seja matador, seja cantor, seja vagabundo, seja o que for, seja tarado, externe suas opiniões, monte um blog, fale, pense, diga, corra o risco, afinal a vida termina, a morte chega.

Ou a morte termina e a vida chega!

Seja você mesmo.

Ah.... faça um comentário, estou cansado de escrever e não receber nenhum comentário. Fale mal, mas fale!

Um comentário:

Joselia disse...

O artigo Convenções tá ótimo. Já a foto.........